XML: Solução para interoperabilidade?

Introdução

Um grande problema encontrado nos dias atuais é a necessidade da interoperabilidade, em outras palavras, a necessidade de comunicação existente entre sistemas heterogênicos. Um exemplo muito utilizado e conhecido é a NF-e (Nota Fiscal Eletrônica), onde o sistema emissor deve trocar informações com um webservice através de arquivos XML (EXtensible Markup Language – Linguagem de Marcação Extensível). Este primeiro artigo abordará XML, dando uma base para os leitores que desejam iniciar o estudo nesta tecnologia.

Era uma vez…

Na década de 1990 a W3C (World Wide Web Consortium – Consórcio da Rede Mundial de Computadores) iniciou estudos com intuito de combinar a flexibilidade da SGML (Standard Generalized Markup Language – Linguagem Padronizada de Marcação Genérica) com a simplicidade da HTML (Hypertext Markup Language – Linguagem de Marcação de Hipertexto). Esses estudos tinham o intuito de criar uma linguagem que pudesse lida por qualquer aplicativo que estivesse sendo executado em qualquer SO (Sistema Operacional) de uma forma eficaz e eficiente.

Com a combinação entre SGML e HTML pretendia-se criar uma linguagem que oferecesse a capacidade de leitura via software, e fosse facilmente integrada com outras linguagens. Para atender essas exigências, a XML deveria deveria apresentar as seguintes características:

  • Possibilitar criar TAGs descritivas.
  • Possibilitar tipar as TAGs.
  • Possibilitar criar TAGs próprias.
  • Possibilitar criar arquivos para validar a estrutura.
  • Possibilitar separar os dados da formatação.
  • Independência de hardware.
  • Independência de software.
  • Simplicidade e legibilidade para computadores e humanos.
  • Concentração na estrutura da informação.

Com os estudos concluído, a XML passou a ser recomendada pelo W3C. Essa padronização recomendada pelo W3C virou um padrão para resolver o quebra-cabeça da interoperabilidade entre sistemas.

quebra_cabeca

Entendendo a XML

A XML é usada para representar dados e não descrever aparência como é feito pela HTML. Para [ELMASRI] A XML “usa um modelo hierárquico (árvore) para representar documentos”. Os dados armazenados num arquivo XML são chamados de documento XML. A descrição dada por [DATE] para documento XML é “um documento criado usando recursos da XML“.

Um documento XML usa dois conceitos principais:

  • Elemento: Contém dados de caracteres ou outros elementos ou ambos.
  • Atributo: É usado para fornecer informações adicionais aos elementos.

No documento XML o elemento é identificado por uma tag de início e tag de fim. O nome da tag de início fica entre parênteses angulares, ou seja, entre “<” e “>“; a tag de fim tem o mesmo nome da tag de início e, assim como ela, está entre os parênteses angulares, mas neste caso o parêntese angular de fechamento é precedido pela “/“. Os atributos do elemento devem ficar dentro da tag de início.

Obs.: Embora os conceitos apresentados anteriormente sejam os principais, [ELMASRI] apresenta “conceitos adicionais em XML, como entidades, identificadores e referências”.

Tendo como base os conceitos de elementos e atributos, é possível apresentar e explicar o seguinte exemplo:

Explicando o código:

A primeira linha é uma declaração XML, na segunda linha é apresentado o elemento XML aluno, esse elemento tem o atributo situação com o valor Não Matriculado. Aninhado dentro desse elemento existem outros dois elementos(nome e idade).

Os elementos nome e idade são classificados como elementos simples, pois eles contêm um valor de dados. O elemento aluno é classificado como elemento complexo, uma vez que ele é construído a partir de outros elementos.

Documento XML bem formatado

Quando um documento XML é criado, o primeiro critério que deve ser levantado é se o mesmo está ou não bem formatado. Um documento XML está bem formatado quando ele respeita algumas condições, parte dessas condições é apresentado na sequência:

  • Deve iniciar indicando a versão da XML.
  • Deve ter apenas um único elemento raiz.
  • Cada elemento precisa ter um par correspondente de tag de início e tag de fim.
  • Os elementos devem está aninhados corretamente.
  • etc.

O exemplo apresentado anteriormente está bem formatado, pois está sintaticamente correto, embora verificar se o documento XML está bem formatado seja o primeiro critério a ser avaliado, ele não é o único. Outro critério importante a ser avaliado é se o documento XML é válido, mas esse é assunto para o próximo artigo.

Conclusão

Neste artigo você foi apresentado a história e os conceitos iniciais da XML, sendo mostrado as principais características que um documento XML deve ter, além de apresentar e explicar um exemplo básico, mostrando o que vem a ser um documento XML bem formatado. No próximo artigo serão apresentadas novas informações sobre XML, principalmente explicando o que vem a ser um documento XML válido.

Até o próximo artigo.

Bibliografias Citadas

[DATE] DATE, C.J. Introdução a Sistemas de Banco de Dados. 8 ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2003.

[ELMASRI] ELMASRI, Ramez; NAVATHE, Shamkant B. Sistemas de Banco de Dados. 4 ed. São Paulo: Pearson Addison Wesley, 2005.

Assuntos relacionados:

XML: O documento é válido?

XML: Como assim XSD?

XML: Mais sobre XSD

Possui mestrado em Computação Aplicada pela Universidade Estadual do Ceará (2010), especialização em Engenharia de Software pela Faculdade de Juazeiro do Norte (2010), graduação em Automática pelo Centro Federal de Educação Tecnológica do Ceará (2005). Tem experiência na área de Ciência da Computação , com ênfase em Sistemas de Computação, atuando principalmente nos seguintes temas: Desenvolvimento dos programas de computador IndSist, Store, Teacher entre outros. Desenvolvimento dos programas Mobile-Android Agenda Iterativa e Guia Cariris.Disciplinas que ministra ou ministrou no ensino superior: Linguagem de Programação, Paradigma de Programação, Estrutura de Dados, Engenharia de Software, Banco de Dados. Currículo Lattes